Páginas

quinta-feira, 2 de setembro de 2010


Na verdade você está longe, mas eu entendo, te compreendo, precisamos dilacerar o coração primeiro, entregá-lo a alguém que irá machucá-lo e devolvê-lo com um rosto tão leve que o aceiteremos de volta, e não importa se demoraremos a outra metade da vida tentando juntar pedaço por pedaço para enfiá-lo no peito novamente, o entregaremos de novo mais cedo ou mais tarde, inocentes, o pegaremos nas mãos e deixaremos alguém o levar. Só muito tempo depois é que compreendemos o amor, só depois que o peito tiver sido aberto muitas vezes, de termos escritos muitas cartas e delas ter nos retornado sem respostas, de termos encontrado muita gente, depois que do coração só restar de feridas, aí estaremos prontos. Pois o amor virá depois que se anular a felicidade que julgamos. Deixamos o amor chegar quando estivermos em milhões de pedaços, para cuidar, para curar, para nos ajudar a construir. Ainda não sabe-se ao certo se a saudade é uma dor ou um rémedio é algo que ainda está além do imaginável. Mas a consequência que ocorre não é normal;

Nenhum comentário:

Postar um comentário